É comum nos depararmos com situações em que o cavalo se assusta com algo que não enxergamos ou ouvimos. Ele para de repente, ergue as orelhas e se comporta de maneira diferente, mas nós não sabemos a origem dessa reação. Ele escuta sons que não são percebidos por nós. Portanto, entender quais as diferenças entre nossa audição e a dos cavalos, é importante para que possamos evitar possíveis acidentes durante os trabalhos realizados com estes animais e para melhorar nossa interação com eles.

Os cavalos, diferente de nós, têm a capacidade de ouvir a quilômetros de distância. Eles possuem audição binaural, ou seja, seus ouvidos escutam de maneira simultânea, detectam sons de maneiras diferentes, determinam a sua localização além de conferir-lhes identidade. A frequência de som é medida em Hertz e, nosso alcance de audição vai de 20 Hz ATÉ 20 KHz. Os cavalos podem ouvir desde 60 Hz até 33,5 KHz, então, eles são capazes de captar sons que nós não captamos, os sons mais agudos.

Graças ao tamanho de suas orelhas, capacidade de movimentação e musculatura da região, o cavalo pode determinar a origem do som e conseguir captar uma gama de sons maior que a nossa. Além disso, o tamanho das orelhas também auxilia para que haja pouca perda sonora para o meio externo. Por ser um animal presa, sua percepção de sons em alta frequência é mais ampla e, com isso, quando está na natureza e um som de alta frequência é emitido, ele corre diretamente para a direção oposta.

Quando um som alto é produzido, ocorrem alterações fisiológicas no organismo do animal, é que chamamos de mecanismo de luta e fuga. Há alteração na pressão sanguínea e cardíaca, maior secreção de ACTH e aumento de hormônios adrenocorticais como reação ao estresse produzido pelo ruído. O estresse causado leva a uma reação à nível sistêmico que acaba afetando a maioria dos órgãos, essas consequências podem ser de curto à longo prazo, variando conforme a intensidade e frequência a qual o animal sofre esse estresse. É o medo que desencadeia o mecanismo de fuga no cavalo e alguns animais podem ser mais sensíveis que outros. Machos por natureza podem ser mais reativos por serem os defensores e alertas da manada quando há um perigo iminente.

Podemos ajudar a reduzir a reatividade do cavalo utilizando protetores auriculares, nos atentando a sons que estejam acima do limite e que causem desconforto ao animal e observarmos para onde os animais direcionam suas orelhas e sua atenção. Essas são algumas atitudes que, além de evitar acidentes, podem melhorar nossa relação com o cavalo, melhorar seu desempenho no dia a dia e diminuir as consequências causadas pelo estresse nesses animais.

Referências:

https://cavalus.com.br/saude-animal/audicao-dos-cavalos

https://practicalhorsemanmag.com/health-archive/eqhearing933-11344

https://www.extension.umn.edu/agriculture/horse/care/horse-hearing/

Texto por: Nicoli Guimarães

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta