O tempo estimado de vida produtiva de um médico veterinário é de 30 anos em média, e neste tempo podem acontecer entre sete a oito acidentes. Muitos profissionais podem nunca sofrer uma lesão que resulte em hospitalização ou perda de consciência. No entanto, é indiscutivelmente o caso de uma proporção significativa de veterinários de equinos em algum momento de sua carreira acabar inconsciente ou necessitar de cuidados médicos após uma lesão diretamente relacionada ao seu trabalho. A maioria das lesões podem ser contusões, fraturas e laceração. A principal causa de lesão foi coice seguido de batida com os membros anteriores (Manotaço) e queda.

Ao analisar o número de lesões pelos anos na prática equina, é evidente que aqueles nos primeiros 5 anos correm maior risco, quando comparados aos que tiveram mais de 15 anos de experiência conforme mostra a figura 1. É importante reconhecer o grande desvio padrão em torno da estimativa de risco para os veterinários menos experientes, indicando muita variação no número de lesões por ano nesse grupo. No entanto, é interessante comentar que o risco de lesão aparentemente diminui ao longo do tempo.

Isso pode ser devido a uma maior experiência e compreensão de procedimentos de risco à medida que se trabalha por mais tempo com os cavalos. Também pode estar relacionado aos padrões de trabalho com veterinários júnior, talvez assumindo mais procedimentos de rotina, mas potencialmente mais arriscados, como castrações permanentes ou mesmo ver uma maior carga de casos em comparação com veterinários mais experientes. Seja qual for o motivo, é claro que é importante uma maior conscientização sobre o risco de lesões, particularmente no início da carreira.

C:\Users\lasin\Desktop\INFORMATIVO EQUESTRE\Riscos trabalho\coice.jpg

Embora este estudo tenha identificado uma lista de procedimentos mais comumente associados à lesão, é importante reconhecer que isso não deve significar que outros procedimentos não são arriscados. Esta lista, pelo menos até certo ponto, simplesmente representa os procedimentos comuns realizados pelos veterinários que atendem aos equino. Uma população de controle de veterinários não feridos não estava disponível para permitir uma análise de diferentes procedimentos como fatores de risco para lesões, por isso seria imprudente se concentrar apenas nos procedimentos listados como arriscados neste trabalho. É muito mais importante que a mensagem seja reiterada que simplesmente trabalhar como um veterinário equino, perto dos cavalos, é arriscado. Pode ser uma declaração óbvia, mas dada a gravidade de alguns ferimentos, é importante reiterar esse fato.

Dos 620 entrevistados, 495 declararam ter sofrido pelo menos uma lesão durante o trabalho com cavalos durante sua carreira veterinária. Como se poderia esperar, o número total médio de lesões sofridas aumentou à medida que o número de anos na prática equina aumentou (Tabela 1).Um método comum de relatar os riscos de acidentes por grupo ocupacional é o de taxas de acidentes onde o número de indivíduos feridos por 100.000 funcionários por ano é estimado. Neste estudo, estimou-se que cada veterinário na prática de equinos sofreria uma lesão a cada 3 anos e 7 meses (0,27 feridos por ano). Isso equivale a aproximadamente 27 mil feridos por cada 100 mil funcionários por ano. Mesmo que se suponha que todos os não-respondentes da pesquisa não sofreram ferimentos, o que é altamente improvável e que atualmente há cerca de 3000 veterinários envolvidos na prática de equinos no Reino Unido, a taxa de acidentes ainda é de aproximadamente 5.400 por 100.000 por ano.

TABELA 1: Sexo, idade, período de tempo empregado como praticante de equino, estado do trabalho e número médio de lesões em cirurgiões veterinários com uma série de anos de experiência.

Número % total
Sexo Masculino 278 44,9
Feminino 341 55.1
Estado do trabalho Tempo integral 525 85.0
Tempo Parcial 93 15.0
Mediana Média
Idade 37 39.0
Duração do tempo empregado como veterinário equino (anos) 11 13.3
Comprimento do tempo empregado como praticante veterinário equino: Número de veterinários Número médio de lesões sofridas
<5 anos 144 1.7
5 <10 anos 122 3.1
10 <15 anos 115 4,3
15 <20 anos 78 3.1
20 <25 anos 58 4.7
25 <30 anos 40 4.9
≥30 anos 60 7.7

É óbvio que o risco não pode ser completamente eliminado. O trabalho requer um tratamento próximo de animais grandes e pesados, muitas vezes se comportando de forma imprevisível, que pode estar angustiado e com dor. A observação direta do ambiente de trabalho, pelos autores no Weipers Center Equine Hospital, confirma que os manipuladores de animais adotam uma maneira de fácil confiança e intimidade com o cavalo, como meio de segurança para o animal, mas é evidente que são necessárias mais salvaguardas.

A preocupação é a incidência de lesões graves, tais como fraturas, lesões na cabeça, inconsciência, perda de visão e os relatos de veterinários que tiveram que abandonar a prática ou se mudar para um trabalho menos fisicamente exigente. Este estudo confirma que o trabalho veterinário equino é intrinsecamente perigoso, está associado a um risco inaceitável de lesão e que medidas devem ser tomadas para melhorar a segurança do trabalho. A prática equina exige a adoção dos princípios de gerenciamento de saúde e segurança e minimização de risco em um grau muito maior do que atualmente é acontece. Embora alguns procedimentos sejam menos arriscados do que outros, em geral a maioria das atividades relacionadas aos equídeos rotineiramente realizadas por veterinários estão associadas ao risco e são necessárias medidas genéricas de saúde e segurança.

C:\Users\lasin\Desktop\INFORMATIVO EQUESTRE\Riscos trabalho\bite.jpg

Desta forma, todos os profissionais e empregadores devem considerar alguns passos deforma a auxiliar sua avaliação de risco, são eles:

Passo 1. Identificando perigos e pessoas em risco

Este estudo identificou altos níveis de risco de lesão e algumas atividades que podem estar associadas a um risco maior que podem levar a hospitalização ou perda de consciência.

Etapa 2. Avaliando e priorizando riscos

Estimando os riscos existentes (probabilidade e sua gravidade) e priorizando-os por ordem de importância. Desta forma é essencial que haja um trabalho para eliminar ou prevenir riscos seja priorizado.

Passo 3. Decidindo a ação preventiva

Identificando as medidas adequadas para eliminar ou controlar os riscos. A questão de sedar ou não sedar os cavalos submetidos a procedimentos foi uma das razões para este estudo e a evidência apoiaria o uso seletivo da sedação. O formato e a organização do local de trabalho são importantes, mas podem ser um fator fora do controle do médico veterinário ao atender um animal angustiado a campo ou estábulos.

O equipamento de proteção pessoal (EPI) precisar ser usado em algumas circunstâncias e pode incluir calçado de segurança, luvas, capacetes de proteção, proteção para os olhos e roupas de proteção pessoal. No entanto, é muito mais adequado evitar situações de risco ou modificar um ambiente de risco.

Passo 4. Tomando medidas

Todos os trabalhadores de equinos necessitam de treinamento para manipulação segura de cavalos e prevenção de lesões, avaliação de risco e uso de EPI. A implementação de medidas preventivas e de proteção através de um plano de priorização e especificando quem faz o que e quando e os meios reservados para implementar as medidas é um passo crítico nos trabalhos destinados a minimizar a lesão no local de trabalho.

Etapa 5. Monitoramento e revisão

O impacto das medidas preventivas deve ser monitorado para garantir o cumprimento de procedimentos de trabalho seguros, registro e denúncia com precisão de feridos e incidentes menores e também eventos importantes. O treinamento de estudantes e todos os funcionários devem ocorrer regularmente. O desempenho em matéria de saúde e segurança deve ser regularmente revisto e a filosofia deve ser a melhoria contínua.

Este estudo confirmou que existem altas taxas de lesões e que lesões graves e potencialmente fatais não são incomuns. O trabalho atual sugere que ao longo de uma vida produtiva de 30 anos, um médico veterinário pode esperar para manter entre sete e oito ferimentos. A gravidade dessas lesões é muito variável e, na verdade, os profissionais podem nunca sofrer uma lesão que resulte em hospitalização ou perda de consciência. No entanto, houve relatos suficientes de lesões muito graves, levando a pensar que para a profissão como um todo e, em particular, empregadores de pessoas em risco existe a necessidade de estabelecer sistemas de trabalho mais seguros, e educação intensiva da profissão e outros manipuladores de animais.

Esta pesquisa foi completada pela prática de veterinários que podem ser considerados como uma população “sobrevivente” na medida em que outros (não disponíveis para pesquisa) teriam deixado à prática equina como resultado de lesões anteriores. Como tal, as estimativas de risco neste estudo podem muito bem ser subestimadas sobre o verdadeiro nível de risco. É necessária uma ênfase especial no treinamento de estudantes de veterinária e médicos veterinários de equino recentemente qualificados para garantir que eles estão conscientes dos riscos associados à prática equina e aos métodos que devem empregar para evitar lesões e permanecerem seguros enquanto trabalham com cavalos.

Leiam o trabalho completo em inglês na íntegra

Fonte:

Parkin T. D. H., Brown J., Macdonald E. B. Occupational risks of working with horses: A questionnaire survey of equine veterinary surgeons. Equine vet. Educ. (2018).

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta